terça-feira, outubro 28, 2008

Como um espelho

Há situações da vida que acabam por nos mostrar verdadeiramente quem e como somos.
Ficamos diante de um espelho e nem sempre gostamos de como a nossa imagem interna é refletida.
O pior é que, mesmo não gostando, não existe força para que aconteça uma modificação.
Ficamos ali... Inertes... Impotentes... Perplexos com aquilo que vemos de nós...







A foto reveladora é de autoria do meu Zé

10 comentários:

MisteriosaLua disse...

Letícia, já tinha saudades!
Em lugar de olhar para o espelho, olha para aqui... este cantinho revela que tens de ser boa pessoa, ou não terias tantas pessoas a esperar por ti!
Besitos

Maria disse...

Querida Amiga-irmã

Ninguém tem culpa de não aguentar passar por situações difíceis. Não te culpes por não conseguires ver alguém sofrer. Provavelmente, tenho a certeza até, que sofres mais do que outras pessoas que fazem o seu papel de visitar quem acham que devem, e que vêem o que ninguém nos pode obrigar a ver.
Eu sei do que falas, e sou igualzinha a ti. Não me peçam para ir, porque eu não vou. Mas fico roída por dentro, e continuo a não ir. Sequer para ficar aliviada.
Oxalá a situação se resolva rapidamente para parar todo esse sofrimento.
Podes sempre cantar, é uma forma de falares com.
Se tu és tão bonita por fora e muito mais por dentro, como é que podes não gostar doqque vês ao espelho?
Eu gosto do que vejo em ti. E muito!

Beijão enorme, com um abraço do tamanho deste oceano que (ainda) nos une (separa)...

Carol disse...

Letícia, minha querida

O teu espelho só pode - única e exclusivamente !! - reflectir coisas boas. A imagem que todos temos de ti apenas reflecte uma identidade única, que adoramos. A união de bons sentimentos, alojado num coração gigantesco, com um sorriso lindo só podem mesmo dar bons resultados.

Não te queremos triste, a vida ne sempre tem bons momentos, mas tudo se resolve e damos a volta por cima ... e como te venho dizendo há meses ... estamos aqui à tua espera ...

Beijos e abraços ... deste lado do oceano até esse lado do oceano ...;)

A CONCORRÊNCIA disse...

Há situações na vida que só quem já as viveu pode avaliar,
falar sem as sentir na pele, imaginá-las, é muito diferente de as sentir. A vida ás vezes é assim, madrasta, mas todos nós que já passámos por situações semelhantes sobrevivemos, embora marcados para sempre. É só dar a volta por cima, a vida é tão curta Amiga, temos de aproveitar cada segundo dela.

Beijos

zmsantos disse...

Olá Amiga.
Não me vou perder em palavras, pois como tu, eu sofro do mesmo (Aquarianos, somos). O sofrimento dos amigos paralisa-nos. E isto é só porque no mundo que ambicionamos a dôr não tem lugar.
Quanto ao reflexo do teu espelho, eu só vejo luz, de um brilho intenso...

Rápidas melhoras te desejo.

Beijinho.

Rogério Charraz disse...

"Dois dias, dois velórios. Em ambos a dor era adulta e o alívio criança. Porque as pessoas viram os seus amores em longo sofrimento, sobreviventes de naufrágios próprios. E perguntaram vezes sem conta quando acabaria o obsceno esmaecer das tintas fortes da vida que os obrigava a procurar o outro na memória e não no destroço à frente deles, incapaz até de ordem disfarçada de súplica - "vai, não quero que me vejas e lembres assim". Apetece contrariar o louco sedento de glória nas areias de Alcácer-Quibir, e rosnar um exorcismo disfarçado de prece - morrer sim mas depressa! Para que nenhuma caricatura sombria estilhace as recordações dos que tiveram a surpreendente gentileza de me acompanhar."

Leticia, ao saber do teu sofrimento relembrei estas palavras sábias do Dr. Julio Machado Vaz, no seu Murcon. Um beijo grande e solidário.

Leticia Gabian disse...

Lua, Maroca, Carol, Isabel, Zé Manel e Rogério,
Meus queridos, mas queridos de verdade, senti meu coração ficar mais quentinho lendo as palavras de cada um.
Vejam como a vida ensina: hoje à tarde, fui cantar no Hospital Aliança, numa pracinha onde costumam oferecer recitais. Fui com a informação de que a frequência seria apenas de médicos, enfermeiros e funcionários... Ledo engano! Era também para os pacientes.
Quando estes começaram a chegar, quase não contive as lágrimas. Nem sei como consegui ir adiante.
Pensei em como eu me sentiria melhor se conseguisse cantar perto do leito de Thelma. Afinal, ela sempre viveu cantarolando e dona de uma memória invejável (sempre sabia qualquer letra e quantas vezes ela me socorreu lembrando e sugerindo músicas para o meu repertório).
Num determinado momento, fechei os olhos e entendi que estava cantando pra Thelma, toda vez que olhava pra cada uma daquelas pessoas tão cheias de dor e sofrimento.
Voltei pra casa pensando na possibilidade de ir ao hospital...

Agulheta disse...

Leticia.Sempre que olho para o espelho gosto do que vejo,uma ruga a mais nada me incomoda,gostando de mim gosto dos outros,basta ter o coração aberto e alma tranquila.
Fica bem com amizade.Beijinho

Leticia Gabian disse...

Lisa,
Eu falo daquilo que se pode ver do interior, da alma e não do corpo físico.
De certa forma, fico até feliz em fazer parte do grupo de pessoas que se enxerga na totalidade.

Beijo

A CONCORRÊNCIA disse...

Leticia deixei-te uma palavrinha no meu Blog, em resposta ao teu comentário.

Beijos Grandes Grandes