sábado, outubro 31, 2009

domingo, outubro 25, 2009

Pra meu filho Gabriel

Ele já não tem mais oito anos, é verdade. Mas, curioso como é, ainda tem muitas perguntas a respeito dele próprio e das mais variadas coisas nesse mundo (...não fosse ele um jornalista).

Este vídeo da Adriana Calcanhoto, a música, a letra, a presença das crianças, tudo isto aguçou ainda mais a saudade do tempo do Gabriel menino (que não é nem um pouquito menor que a saudade do Gabriel de agora).

Ouçam e divirtam a criança que há em cada um de nós.
Beijos


Adriana Partimpim - Oito Anos - Gabriel



Oito Anos

Composição: Paula Toller

Por que você é flamengo
E meu pai botafogo?
O que significa
"impávido colosso"?

Por que os ossos doem
Enquanto a gente dorme?
Por que que os dentes caem?
Por onde os filhos saem?

Por que os dedos murcham
Quando estou no banho?
Por que as ruas enchem
Quando está chovendo?

Quanto é mil trilhões
Vezes infinito?
Quem é jesus cristo?
Onde estão meus primos?

Well, well, well
Gabriel...(bis)

Por que o fogo queima?
Por que a lua é branca?
Por que a terra roda?
Por que deitar agora?

Por que as cobras matam?
Por que o vidro embaça?
Por que você se pinta?
Por que o tempo passa?

Por que que a gente espirra?
Por que as unhas crescem?
Por que o sangue corre?
Por que que a gente morre?

Do que é feita a nuvem ?
Do que é feita a neve?
Como é que se escreve
Reveillòn? well, well, well, gabriel...(bis)


segunda-feira, outubro 19, 2009

I A N


31 anos - 18 de outubro



domingo, outubro 11, 2009

Quando a natureza é ilusionista...






Perguntamos... Se da terra brotaram pássaros e se esses pássaros, distraídos, ao alçarem vôo, por cá deixaram algumas de suas plumas e penas...
Ou...
Se foram os anjos caídos que, ao tornarem-se mortais, plantaram jardins com as suas asas...


As fotos são de autoria do meu Zé, um poeta do olhar



sábado, outubro 10, 2009

Ao nosso querido Roger

Acabamos de saber da sua perda e conhecemos o tamanho da tua dor.
Na impossibilidade daquele abraço apertado, deixo aqui um pouquinho da nossa presença, apesar das estradas que nos separam.

FOBIA ESPECÍFICA

"O que é?

Anteriormente denominada fobia simples a fobia específica é o medo persistente e recorrente a um determinado objeto ou circunstância que desencadeia uma forte reação de ansiedade, sempre que apresentado ao paciente fóbico.

Diagnóstico
Os critérios para realização do diagnóstico exigem as seguintes condições:
um objeto claramente identificável (nos demais transtornos fóbicos e ansiosos nem sempre o objeto é claramente identificável). Este objeto sempre que apresentado desencadeia uma forte reação de medo, ansiedade ou mal estar no paciente, podendo chegar a uma crise semelhante a crise de pânico. Os adultos e adolescentes reconhecem que esse medo é exagerado, mas as crianças não necessariamente. Pelo critério norte americano o diagnóstico só pode ser dado quando o objeto fóbico interfere na rotina do indivíduo. Essa posição é passível de crítica não representando a opinião desde site.


Características
As fobias, em geral, caracterizam-se pela ausência de motivo para despertar o medo constatado, ou por ser o medo exagerado diante do objeto fóbico. As pessoas com fobia específica não apresentam uma história de traumas, injúrias ou ameaças decorrentes da exposição aos objetos mais comuns da fobia específica. Se isso acontecesse seria necessário diferenciar a fobia específica do estresse pós-traumático. Na maioria das vezes as pessoas com uma fobia específica não são afetadas em sua rotina porque o objeto fóbico não faz parte dela. Quando faz parte torna-se indicado o tratamento.
Há situações nas quais o objeto fóbico é o mesmo da agorafobia. A diferença entre essas duas formas de fobia baseia-se no que o paciente pensa. Na fobia há uma forte reação contrária ao objeto, sendo o objeto afastado, a ansiedade some. Na agorafobia o medo é da dificuldade de sair de onde esteja caso passe mal, o que não acontece na fobia específica. Essa diferenciação é importante porque a fobia específica é um problema isolado, já a agorafobia dificilmente vem sozinha, geralmente antecede, vem junto ou depois de um quadro depressivo ou de pânico.
Esse transtorno geralmente é identificado na infância ou mesmo na idade adulta. É um problema um pouco mais freqüente nas mulheres e apesar de eventualmente levar a desmaios isso não significa nada especialmente grave.
A fobia específica é um transtorno pouco estudado pelo baixo comprometimento que geralmente representa.

Objetos mais comuns
Os objetos fóbicos mais comumente encontrados são fobia a animais como cães, aranhas, lesmas. Medo de animais altamente perigosos como cobras venenosas, jacarés, tigres não podem ser considerados patológicos. Outras fobias comuns são de sangue, de águas rasas ou profundas, trovões e tempestades, alturas, elevadores, aviões. A lista de objetos fóbicos, contudo, não é restrita: qualquer objeto desde que suscite uma resposta fóbica típica pode enquadrar os critérios de fobia específica.

Tratamento
Pela pequena quantidade de pesquisas nessa área e por causa da pequena demanda de tratamento há poucas pesquisas sobre o da fobia específica. As medicações se mostram ineficazes e a terapia cognitivo-comportamental apresentam resultados bastante satisfatórios.
"


Fonte: Psicosite
Dr. Rodrigo Marot

Ref. Bibliograf: Liv 01 Liv 02 Liv 14 Arch Gen Psychiatry 2001; 58(3): 257-265
The Genetic Epidemiology of Irrational Fears and Phobias in Men
Kendler, Kenneth S





Bom mesmo era se a gente pudesse pendurar, num cantinho da parede, aquele medo irracional e, portanto, incontrolável... Tê-lo ali, paradinho, era garantia de uma vida mais cheia de sossego... Isso é que era bom!


Você sofre de algum tipo desse medo malvado?


sexta-feira, outubro 02, 2009

Uma mandala para os amigos Fátima e ZM


Como eu já tinha prometido e sei que a Fátima gosta muito de verde... Aqui está!

Duas Mandalas

Uma para Maroca, por ela ser AICeT



A outra, para a INTUITIF.
Uma loja cheia de charme e cada dia mais visitada, requisitada e famosa... TiK!!!!!!