quinta-feira, junho 15, 2006

Algumas letras de música de Letícia

Breve Estação


Naqueles dias
O calor da pele
Sussurrava o desejo
As mãos em febre
Liam o corpo nu
O olhar em brasa
Exalava o êxtase
Em sermos um

O nosso frágil encontro
Foi um hesitante balé
Cálido, e breve
Como as férias de um verão

A lembrança do abraço
Aconchegante e voraz
Hoje me vem tristemente
Num dueto de prazer e dor

Janeiro/2001



Segredo de Concha


Pele salina
Corpo de sol
Anzol de farol.

Afago de areia
Cabelo de ondas
Olhar ultramar.

Alga alimento
Hálito de vento
Segredo de concha
Pulsar de maré.

Peixe felino
Mergulho destino
É isca mourisca
Engodo do mar.

Janeiro/2001





Moreno Poema


Quando se deita
O seu corpo noite
Emprenha os lençóis
De incenso crioulo.
Há perfume e negrume
Nos domínios do quarto

Seu corpo carne
Sabor chocolate
É mouro deleite
Constante na boca.
Há negrume em perfume
Nos domínios do quarto

Eterno mote
Moreno poema
Em pele
Em febre
Em cheiro e suor

Janeiro/2001



Ponto de Encontro


Parto da ida
Caminho a estrada
Risco o destino
Sem culpa ou temor

Dorme sépia e distante
A imagem do antes

Rumo certeiro ao sinal
Bem marcado é o desejo
Novo e exato momento
Sem curva, atalho ou desvão

Desperta encarnado e brilhante
O ponto final do encontrar
Do Renascer
Recomeçar

Abril/2001



Sabor Bandido

Noite quente
Luz de velas.
No desejo,
O alimento do fogo.
No beijo,
O prenuncio do gozo.

A libido na bandeja
Volúpia vinho no cristal
É servida sobre a mesa
Como prato principal

Noite quente
Luz de velas.
O olhar
Queima, incendeia.
O toque
É a seda da teia.

A pele destila segredos
Que além de você só eu sei
Tem sabor bandido
Nosso amor fora-da-lei

Janeiro/2001



Lua Dança (Uma lembrança do Circo Troca de Segredos)

Não aprendi
O foxtrote animado
Maracatu, sapateado
Dança do ventre e fandango
Nem mesmo o samba rasgado

Mas quando gira no teto
Aquele globo espelhado
Anunciando Glenn Miller
Em fragmentos de luz
Me abandono em seus braços
Num corpo a corpo, apertado
Palmo a palmo, colado
Ao som de Moonlight Serenade

O olhar firme no olhar
Faz respirar ofegante
Quase que tira o ar
O beijo escorrega mordendo
As contas de vidro do colar
As mãos entrelaçam desejos
Acontece a troca de segredos
E os pés acima do chão
Exploram a órbita lunar

Abril/2001

2 comentários:

Liana disse...

As letras são lindas e seu blog está um show!
Adorei,
beijos,
Liana

Vaninha Rabelo disse...

Minha querida, se eu fosse abençoada por Deus eu musicava tudo isso. Mas, infelizmente, quando abro a boca pra cantar todo mundo tapa os ouvidos. Sou um horror. tomara que algum outro filho de Deus faça isso em meu lugar.Beijo.