segunda-feira, julho 17, 2006

Palavras de um PESSOA que sabe mais de mim do que eu mesma

Deixei de ser aquele que esperava,
Isto é, deixei de ser quem nunca fui...
Entre onda e onda a onda não se cava,
E tudo, em ser conjunto, dura e flui.
A seta treme, pois que, na ampla aljava,

O presente ao futuro cria e inclui.
Se os mares erguem sua fúria brava
É que a futura paz seu rastro obstrui.
Tudo depende do que não existe.

Por isso meu ser mudo se converte
Na própria semelhança, austero e triste.
Nada me explica.

Nada me pertence.
E sobre tudo a lua alheia verte
A luz que tudo dissipa e nada vence.

Deixei de ser aquele que esperava - Fernando Pessoa

3 comentários:

Hera disse...

Poesia... Poesia... O poeta pode ser melancólico, mas sempre é poeta! Um beijo. Fique bem!

travessias disse...

É bom ver Fernando Pessoa tão estimado no Brasil. Ele ficaría muito contente...

Leticia Gabian disse...

Pessoa é tudo pra mim. O maior de todos os tempos. Minha paixão.